Annerci

Eu a observava enquanto ela buscava as respostas por si própria e nada eu podia fazer diante daquela cena que me fazia desejar cada vez mais poder ajudá-la, respondendo algumas de suas perguntas intensas e que tanto a machucavam de um jeito que chegava a doer em mim em alguns momentos.

Naquela manhã ela levantou-se cedo da cama. Possuía algumas leves olheiras pela noite mal dormida. Mas aquilo era nada comparado as dores que havia dentro dela.

Annerci era dona de um dom. Um dom que em vários momentos lhe era uma tormenta, uma maldição, e até mesmo uma perdição. Ela tinha acesso a vida de pessoas que nem mesmo sabiam de sua existência. Por meio de almas ela adentrava sorrateira a intimidade de pessoas de poder absoluto, e quando queria, conseguia fazê-las baixar guarda, colocando a arrogância de lado e entregando tudo o que possuíam a quem um dia ambas vieram a ultrapassar. Fazia isso até por si mesma. Annerci não possuía só um dom, agora era dona de tudo o que queria. Ela tinha poder. E isso não se resume apenas a seu dinheiro, mas ao poder que possuía sobre todos que a rodeiam. Todos a amavam – sem amar. Todos a veneravam – sem venerar.

Ninguém nunca aderiu noção do que era Annerci.

A não ser quem ela deveria ajudar. Quem lhe depositou total confiança, e de quem Annerci se aproveitou, mentiu e traiu.

Eu.

Observá-la ali era quase que uma tortura. Mas nada comparado a minha satisfação de vê-la pegar por seus atos inconseqüentes. Ela se via sozinha, sem apoio e rodeada de um silêncio enlouquecedor. Eu podia sentir. Eu possuía um laço com Annerci, mas pouco me importava com ele. Aquilo já não tinha significado. Era algo insignificante e sem serventia. Em poucas horas eu enfim estaria indo para onde Annerci deveria ter me mandado a muito tempo, mas que me prendera com suas palavras e gestos vãos.

Quando você já não respira mais porque necessita, quando seu coração já não bate mais, e quando seus sentidos e atos não se concretizam, nada mais importa ficar na Terra. E não fora isso que Annerci me fizera acreditar. Eu pensei que vagar entre os humanos, ajudando-a a “fazer o bem” seria o correto. Eu estava errado. Annerci me enganara. Ela me traíra da pior forma que um ser humano pode trair outro ser que já vivera entre ele.

Annerci merecia aquilo. Ah como ela merecia.

“Não, não.” O zumbido da revolta dos outros como eu já ecoavam como loucura em sua mente.

Ela implorava pelo perdão. Suplicava por minha compaixão. Mas como dar a ela o que ela queria? Eu já fizera demais, e ela só me fez enganar. Eu fora o brinquedinho de Annerci. Eu fui seu protetor durante anos, acreditando em cada palavra sua. E o que ela me dera em troca?

“Você pediu por isso.” Eu já me sentia ser envolvido por uma luz esverdeada. “Você os fez cair. Agora é sua vez.”

Ela não entendia como tudo aquilo acontecera de modo tão rápido. Num dia ela nadava em sua vitória, no outro, afogava-se em sua derrota. Eu tinha as respostas, e me sentia mal por não poder dá-las a ela. Eu ainda me sentia como um imã em relação a Annerci. Tudo nela me fazia querer ficar. Todas aquelas lembranças faziam tudo aquilo parecer uma bobagem, uma vingança vã. Mas eu não podia. Era tentador permanecer no mundo obscuro e cheio de ganância ao qual ela pertencia. A lembrança da noite passada, quando ela vestia aquele macacão preto que reluzia com a luz do poste da avenida Rulson, martelava em mim. Ela perdera naquela noite. Quando me persuadira para conseguir o que queria. Quando eu descobrira tudo antes de acabar com a vida de alguém. A vida de um ser humano. Como Annerci. Como eu, antes de participar de um acidente mortal, após ela acabar com a vida das pessoas que eu mais me orgulhava naquela vida anterior. E a roupa de Annerci me lembrava de sua ganância, de sua vaidade inconsequente e de seu orgulho que a fazia parar de enxergar tudo e a todos. Até a mim.

Eu estava partindo sem lhe explicar o porquê de tudo aquilo.

“Não vou ficar.”

E então sua imagem foi se dissolvendo, trajando aquele mesmo macacão preto e reluzente. Ela levara as mãos aos ouvidos, tentando se livrar dos zumbidos que a atormentavam, e quando enfim todos se encontravam ao meu lado, passando sem me notar, ela olhou para as trevas que tomaram o seu céu, e seus lábios moveram-se naquele modo delicado, pronunciando pela ultima vez um “eu te amo”.

E então a imagem de Annerci se dissolveu por completo.

Comente com o facebook:
De todos os anos, vinte e um invernos e uma vida inteira para concretizar tantos sonhos e anseios. De quatro estações, a mais fria é a que mais me aquece. De todas as artes, a escrita. De todos os lares, o coração. De todos os sentimentos, o amor.
Posts published: 149

16 comments

  1. Muito lindo guria, parabéns!
    Beijo grande, estou seguindo aqui 🙂

  2. Muito lindo guria, parabéns!
    Beijo grande, estou seguindo aqui 🙂

  3. Tania Girl disse:

    Ah… achei muito triste.. um último eu te amo.. =(

    Mas o post ficou lindo.. Perfeito!!

    =D

    bjos'

  4. Mariana disse:

    'Tô seguindo flor.
    Você está de Parabéns… Tudo aqui está muito perfeito! *-*
    Quando quiser dê uma passadinha no meu blog: http://maryferrazsouza.blogspot.com/
    Beijos flor ;*

  5. mila disse:

    Fico feliz que você também esteja acompanhando a história, postei o segundo capítulo já :3
    beijinhos!

  6. mila disse:

    Fico feliz que você também esteja acompanhando a história, postei o segundo capítulo já :3
    beijinhos!

  7. Letícia L. disse:

    Ah, o amor sofrido.

  8. Ama-se, logo sofre-se.

  9. sarah disse:

    Eu adoro observar as coisas,
    mas ficar parado sem fazer nada é um sentimento de incapacidade..

    odeio sentir isso !

  10. Thainá Vivas disse:

    Muito lindo o texto, parabéns!

  11. Vicky D. disse:

    Muito lindo! *-* É triste dizer isso, mas sofremos com o amor…

    Bjão =^.^=

  12. Trashy Fame disse:

    estamos seguindo aqui, amamos o blog *-*
    passa lá no nosso também:
    http://www.thetrashyfame.blogspot.com
    se gostar, segue a gente lá

  13. DELUXE disse:

    Oii tudo bem? Adoreei seu blog *-*
    tô passando pra deixar nossa marquinha e lhe convidar para conhecer nosso o nosso.. (:
    beeijOs

    Deluxe

  14. MAravilhoso post..

    Belo trabalho, o seu blog

    MUITO BOM…

    Conheça:
    http://mailsonfurtado.blogspot.com

  15. Muito bom o seu blog, bela postagem, parabéns!

    Belo Trabalho…

    Veja…
    http://mailsonfurtado.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

B r u n n a  C o r r e i a 
De todos os anos, vinte e dois invernos e uma vida inteira para concretizar tantos sonhos e anseios. De quatro estações, a mais fria é a que mais me aquece. De todas as artes, a escrita. De todos os lares, o coração.
No facebook
@brutwos
Categorias









Arquivos
Copyrights © 2009-2017 All Rights Reserved.