Nossa estação

Ela olhou o céu naquela noite, com olhar manso, sem mudar a expressão suave que irradiava a sua face. Após um breve suspiro, pronunciou em um sussurro quase inaudível, observando-o: “Eu estou aqui.”

“… E relembro aquele momento que tanto tentei moldar em minha mente inúmeras vezes, mas que foi tão especial quanto o que minha imaginação tentava projetar. Foi tudo tão rápido, que sinto minha cabeça girar todas as vezes em que ergo a cabeça e o vejo vir sorrindo até mim. Eu não soube o que fazer, me perdi por alguns instantes, e apenas tive a certeza de que poderia sorrir; sorrir agora correspondendo ao teu sorriso que encaminhava-se até mim do jeito mais doce. Como isso pôde ter sido tão mal planejado? Apenas mais um momento despreocupado, como aquele em que você me fez comentar sobre a fotografia em que sua maior inspiração protagonizava, que encantou e tornou-se também minha fonte.

As estações passavam e eu pouco notava, apenas observava minhas mãos jogando o celular de uma mão à outra. Um sino parecia projetado para atormentar minha mente; eu ouvia os ponteiros do relógio desafiarem o meu tempo. Tudo era a mais pura confusão, mas eu insistia em prosseguir, ignorando vozes que soavam impetuosas em minha mente. Encostei no muro na plataforma, avistei um rapaz de cabelos escuros que iam até a nuca, me movi um pouco, morrendo por dentro, mas logo a ansiedade me avisou que me importei à toa. Não era você. E foi depois de alguns minutos, que pareceram horas, quando meus dedos já não aguentavam mais tiquetaquear na pilastra que ergui meus olhos e o vi.

Me lembro como se fosse hoje, agora. Só houve tempo de devolver o celular ao bolso, e então recebi o calor que senti apenas naqueles sonhos dispersos das noites de devaneios. Um tom de voz tão doce e  cauteloso, palavras no visor do celular, uma imagem: Você.

Eu ainda lembro da camisa cinza, aquela que eu toquei quando seus braços me envolveram no abraço que eu esperei tanto tempo, que acompanhou sua voz dizendo o quanto era bom estar ali. Poderíamos congelar momentos e voltar neles quando quisermos, não é? pois eu reviveria aquele incontáveis vezes.

… Ela fecha os olhos. O revive.

Texto originalmente escrito para o blog Nova perspectiva

Comente com o facebook:
De todos os anos, vinte e um invernos e uma vida inteira para concretizar tantos sonhos e anseios. De quatro estações, a mais fria é a que mais me aquece. De todas as artes, a escrita. De todos os lares, o coração. De todos os sentimentos, o amor.
Posts published: 153

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

B r u n n a  C o r r e i a 
De todos os anos, vinte e dois invernos e uma vida inteira para concretizar tantos sonhos e anseios. De quatro estações, a mais fria é a que mais me aquece. De todas as artes, a escrita. De todos os lares, o coração.

No facebook
@brutwos
Categorias









Entre em Contato

Arquivos
Copyrights © 2009-2017 All Rights Reserved.